segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Marcha Dos Chatos

































ecoam sirenes, fumaça de incontáveis praças,
cartazes queimados, gritos, alardes,
alvoroçadas pessoas correm, sob a multidão,
pisoteados, alguns feridos, levados ao camburão,
o caos total, a origem foi, o grande manifesto...

que de origem, descarado
com alguns incomuns sujeitos, começou,
cartazes faziam, com retratos,
de quem mais detestavam,
todo domingo, e nisso declarou,
aquele grupo, de moleques complexados,
o evidente, agora, desprezo,
enquanto em público os queimavam.

semanas passavam, repetidas,
num mesmo ritual, já não novidade,
pequeno município, fofoqueira cidade,
toda semana, haviam mais alguns,
cresciam objetos queimados,
fotos, ofensas, segredos gritados,
uns poucos conflitos, foram delatados.

parou nos jornais,
locais,
falados
rejeitados,
marcados
excluídos,
com seus fados
tão sinceros
conhecidos,
desordeiros,
sinceros,
grosseiros,
ou meros
palhaços
querendo
atenção,
com mormaços
de verdades
tomando em mão...

população,
pouco a pouco
brincadeira aceitou,
auto falantes,
microfones
muitas vezes se usou,
pequeno palco,
singelo pedestal,
e mais gente sem moral,
fora lá desmascarar,
quem na vila,
nome nenhum tinha a exibir,
os ninguéns,
não nepotizados,
fracos, e desarmados,
secretamente sem avisar,
iam à nova atração,
novidade,
queimar fotos de parentes,
de ex-mulheres, patrões, celebridade,
falsos amigos, parentes, pertences, alguma divindade...

e depois de algum tempo, oh céus, a merda aconteceu,
se depararam conhecidos, inimigos, empregados,
de surpresa ali, que surpreendidos, no encontrar,
discussões, paralelas travam,
paradoxo foi, de ao invés de nunca mais voltar,
semana seguinte no retorno, tendiam a piorar...

e por quanto mais se fez, mais perigosa a situação,
até momento dito, previsto, em que explodiria o conflito,
numa manhã de sexta feira, sim, já acontecia todo dia,
houveram tiros, violência, linchamento, vandalismo, explosão,
cidade inteira destruíram, e assim fica a moral da historia,
cinco por cento da cidade, assassinada...
vários demitidos... mulheres largadas, parentes brigados...
agora são odiosos, odiosos sinceros...






Nenhum comentário:

Postar um comentário